quinta-feira, 30 de janeiro de 2014

Entrevista exclusiva com a cantora de Jazz & Blues Taryn, a dubladora da princesa Elsa do filme Frozen

Taryn Szpilman nasceu em um berço musical, e há mais de uma década vem se aprofundando e dedicando-se à tradição do Jazz & Blues e suas vertentes como Soul e Rock Clássico.
De origem Russa/ Alemã/ Polonesa e herdeira da família que tem como nome ilustre o pianista Wladyslaw Szpilman (personagem do filme de Roman Polanski "O Pianista" 2002) representa a quinta geração musical da família. Recentemente emprestou sua voz para a personagem Elsa do filme Frozen - Uma aventura Congelante.
Confira agora a nossa entrevista com essa garota que além de linda é incrivelmente talentosa.

-Como foi o seu inicio de carreira? Você teve algum incentivo importante nessa fase?
Comecei a cantar aos 15 anos incentivada pelos amigos a participar do festival de música da escola. Nessa época eu já amava e ouvia muito o Rock Clássico dos anos 60 e quando venci o concurso e ganhei uma bolsa de estudos (sem a menor pretensão de que isso acontecesse) "caiu a ficha" e descobri que tinha herdado essa genética da família que é toda de músicos, há muitas gerações... Enfim, tive este incentivo todo ao meu redor, o ambiente que nasci e cresci também ajudou muito, pois só convivia com músicos ( todos os meus amigos eram músicos, assim como os meus familiares) e meu pai que era um Jazzista apaixonado (ele foi fundador da Rio Jazz Orchestra há 40 anos atrás) foi um grande incentivador no meu começo profissional. Muitos amigos do ramo foram, na verdade. Cada um teve seu papel importante e tenho gratidão por todos eles.
-Como surgiu a sua paixão pela música e pelo retrô?
A música sempre foi a válvula de escape pras minhas emoções e sonhos, acho que com muita gente é assim. Minha vida tinha uma trilha sonora em todos os momentos e acho que crescendo em meio a Gramofones, discos de Blues, Jazz e Música Soul/Negra da melhor qualidade, não tinha como fugir da paixão por esta era, onde me encontrei e despertei pra minha verdadeira identidade (musical e pessoal). A época do bom gosto, glamour e arte originalmente criativa. Na casa do meu pai tínhamos muitas coleções vintage, desde chapéus antigos, vídeos de Big Bands dos anos 40 e 50, inúmeros musicais e filmes clássicos e até carros antigos! Ganhei meu primeiro carro aos 17 anos e foi uma réplica de um Porsche 54, igual ao do James Dean, que eu já dirigia mesmo sem ter carteira de habilitação. Da  minha mãe, herdei a paixão pelo Rock Clássico, pelos filmes da Marilyn Monroe e pelo Platinum Blonde. Enfim, fui cercada de Vintagers, não tive como fugir...
-Conte um pouco sobre a sua carreira musical, parcerias, eventos que te marcaram e projetos futuros.
Atualmente estou na direção artística da RJO, ao lado do marido, o renomado baterista e produtor musical Claudio Infante.
Abaixo uma timeline dos eventos mais importantes de sua carreira
-Como vocalista da Rio Jazz Orchestra gravei 2 discos, um DVD e estrelei o aclamado espetáculo "Tributo à Billie Holiday" em 2003, e posteriormente um outro musical de minha autoria: "Divas do Jazz".
Como Billie Holiday - Maquiagem e produção: Fernado Torquatto

-Em 2003 lancei o cd homônimo “Taryn”, marcando o lançamento da carreira solo, com composições inéditas de grandes nomes nacionais influenciados pelo Blues, como Zeca Baleiro e Frejat, que também participa do cd cantando e tocando na faixa “Longo Adeus ” de sua autoria.
-Em 2008 foi lançada a primeira coletânea de sucessos dos grandes nomes do gênero com arranjos inovadores.
-No Rock In Rio 2011 lancei o Negro Blue, o volume II de Bluezz. No repertório de ambos os cds -produzidos por Claudio Infante, que já havia tocado com BB King, canções de compositores e intérpretes que a influenciaram musicalmente desde o princípio, como: Aretha Franklin, Janis Joplin, Billie Holiday, Jimi Hendrix, Gershwin, Nina Simone, Stevie Wonder, Led Zeppelin, Etta James, Muddy Waters e Ray Charles.
Uma obra dedicada à trajetória do Blues e suas vertentes como Jazz, Soul e Classic Blues-Rock, em sua evolução desde os anos 30 até os revolucionários anos 60.
-Também passei uma temporada em Los Angeles gravando um cd produzido pelo guitarrista Andy Summers, da legendária banda The Police.
Além disso tem a carreira televisiva e cinematográfica
 Entre os Trabalhos mais recentes se destacam canções para:
"Piratas do Caribe 4" (Disney), "O Astro" ( Rede Globo), Som Brasil - Tim Maia ( Globo), Novela Viver a Vida (Globo), Minisérie Maysa (Globo), Sarau ( Globo News) entre outros programas de tv.
Em Janeiro de 2014, protagoniza como atriz e cantora no novo clássico musical da Disney: Frozen- Uma Aventura Congelante como a Elsa (A nova princesa da Disney).
-Em 2015 filmará o seu primeiro DVD, reservando algumas surpresas. :D

-Quais são as suas inspirações musicais ?
As Divas do Jazz e Blues ( Billie Holiday, Bessie Smith, Sarah Vaughan, Dinah Washington, Esther Phillips, Etta James, Janis Joplin, Aretha Franklin..) e os Deuses do Soul e Rock ( Stevie Wonder, Led Zeppelin, Who, Deep Purple, Jeff Buckley, Ray Charles, ah são tantos...)

-E suas inspirações de moda e comportamento?
Amo toda a estética e cultura retrô entre os anos 30 e 60, nada que vejo ou ouço na atualidade reflete meu espírito e minha arte, nem na estética nem na música. E como a forma de se vestir é um espelho da nossa alma, me inspiro demais na cultura que amo pra refletir o que canto e vivo: as Divas do Jazz e Cinema antigo, resgatando o antigo glamour de Hollywood -que me fascina e inspira - roupas, carros, móveis, arquitetura, design... Assim como os filmes , músicas e arte desta época como um todo. Sinto que pertenço a esta cultura, mesmo vivendo nos anos 2000, eu vivo a minha verdade.
-Se você pudesse escolher uma década para viver, qual seria ela? E por quê?
Eu adoraria ter nascido nos anos 20 ou antes um pouco pra nos anos 40 e 50 poder lançar meu disco pela Chess Records, Verve ou algum selo desses. Queria ter dividido o palco com meus músicos favoritos que viveram nesta era do Be Bop e do Swing, época que essas canções tocavam na rádio, dá pra acreditar? Imagine poder andar nas ruas e ver aqueles carros, aquelas construções, aquelas pessoas vestidas deslumbrantemente bem, meio que como no filme do Woody Allen "Meia Noite em Paris", só que no filme se trata de um período anterior a este, mas o escritor convive com seus ídolos.... Meus avós e meu pai me contavam como as pessoas andavam alinhadas em Copacabana, Lapa, nos cassinos cariocas... Tenho muitas fotos do meu avô tocando nesta época ( Cassino da Urca) e babo.
-O que é ser retrô para você?
Ser retrô pra mim é admirar e contemplar a época mais inspiradora e artística do ser humano. É respeitar essa identificação profunda e viver essa verdade, não é porque vivemos no mundo de hoje, que somos obrigados a gostar do que está acontecendo na atualidade. 
Pra quem quiser saber mais sobre a Taryn é só acessar:
Comentários
1 Comentários

Um comentário:

Llu Cherry Bomb disse...

Adorei a entrevista, muito legal mesmo!

E ela é super diva.

Bjks!

http://un-necessary.blogspot.com.br/