terça-feira, 3 de setembro de 2013

Dicionário retrô - Elsa Schiaparelli a rival de Coco Chanel


 

"Quando o vento arranca o chapéu da sua cabeça e o faz voar cada vez mais longe, é preciso correr mais rápido que o vento para alcançá-lo. Eu sempre soube que para construir mais solidamente, às vezes somos obrigados a destruir, a fim de estabelecer uma nova elegância para as maneiras brutais da vida moderna."



Elsa Shiaparelli

Elsa Schiaparelli (1890-1973) foi designer de moda juntamente a Coco Chanel sua maior rival.
Ela é considerada como uma das figuras mais proeminentes da moda entre as duas Guerras Mundiais. 
Os projetos de Schiaparelli foram fortemente influenciados pelos surrealistas e seus colaboradores Salvador Dalí e Alberto Giacometti . Seus clientes incluem a herdeira Daisy Fellowes e atriz Mae West .
Ela estudou Filosofia na Universidade de Roma e após publicar um livro de poesias eróticas foi internada num convento pela família. Em 1920 mudou-se para Paris. Anos mais tarde, pra ser mais precisa em 1928 Elsa abre sua loja – a Pour le Sport.
Aparentemente Elsa foi a precursora do zíper, algo tão valioso para os tempos atuais. E enquanto Chanel sua rival trabalhava para simplificar a vida das mulheres, Elsa era dona de uma criatividade imensa e de peças "Malucas" e totalmente excêntricas. Eu me arriscaria a dizer que se Elsa vivesse em nossa época, sem dúvida seria a estilista preferida da Lady Gaga rs.

Todas as coleções lançadas por Schiaparelli se inspiravam em fantasia e partiam de um ou dois temas dominantes. Uma de suas preferidas era a coleção "Circus", com cavalos, elefantes ou acrobatas no trapézio, bordados em muitas peças, como os boleros com botões de cabeça de palhaço e o chapéu em forma de sorvete.
Sempre utilizando bordados e cores fortes, Elsa criou a coleção de astrologia, na qual se destacava uma luxuosa capa com enormes signos do zodíaco bordados em ouro, assim como o motivo "Phoebus", um sol radiante sobre um tecido rosa-choque. Ela passeou por muitos outros temas em suas coleções, como a música, o fundo do mar e a "Commedia dell'Arte", na qual também apareciam as capas, desta vez com losangos de veludo.
Além de suas criações sempre impactantes, ela inovou nos materiais utilizados em suas roupas, como o zíper, o crepe de seda e o celofane. Todos esses novos materiais, como a fibra sintética, possibilitaram que Elsa executasse todos os seus sonhos surrealistas.

Schiap buscava o efeito teatral através das cores vivas, não muito usadas naquela época. Ela conseguiu criar um tom de rosa tão forte, que chegava a ser dramático. Ela o batizou de "shocking", o seu rosa-choque. A cor foi usada por ela em muitas criações, desde chapéus até longas capas bordadas.
"Shocking" também foi o nome dado àquele que viria a ser o seu perfume mais conhecido, lançado em 1938. O frasco tinha a forma do corpo da então famosa atriz de cinema Mae West, que personificava a ousadia do estilo de Schiap.

Apesar de ter tido clientes como as atrizes Greta Garbo, Joan Crawford e Carole Lombard, ela não fez muitos figurinos para o cinema. Seu maior sucesso foi em 1937, com o filme "Every Day's a Holiday", com Mae West. Também criou os figurinos dos filmes "Artists and Models" e "Moulin Rouge", com Zsa Zsa Gabor, em 1952.
Zsa Zsa Gabor em “Moulin Rouge”
 
Mae West em 'Everyday's a Holiday
Artists and Models

Em 1939, quando explodiu a Segunda Guerra Mundial na Europa, Schiaparelli decidiu fechar sua maison. Ela preferiu colaborar com os esforços antinazistas nos Estados Unidos. Quando a guerra chegou ao fim, ela retornou a Paris, em 1945. Sua maison sobrevivera aos anos de conflito e logo foi reaberta.
Nessa época, passaram por seu ateliê alguns estilistas famosos, como Hubert Givenchy e Pierre Cardin.
Em 1946, Salvador Dalí desenhou o frasco de um novo perfume, o "Roi-Soleil". A assinatura de Schiaparelli ainda produziu uma linha de malas e frasqueiras e uma coleção de prêt-à-porter, que foi vendida nos Estados Unidos.
Teve entre seus assistentes os estilistas Pierre Cardin e Hubert de Givenchy, e foi inovadora também na área comercial de seu negócio, ao licenciar seu nome como marca, depois de criar óculos e sapatos para produção industrial. 


Apesar de todos os esforços para continuar sua produção, os tempos mudaram para Schiaparelli. Com dificuldades financeiras e problemas pessoais, ela acabou fechando sua maison em 1954.
Em seguida, lançou um livro de memórias, intitulado "Shocking life", novamente a cor intensa que demonstrava sua ousadia, excentricidade e o impacto que desejava causar.
Elsa Schiaparelli morreu em 1973, aos 83 anos.

Parcerias com Dali
Os desenhos Schiaparelli produzidos em colaboração com Dalí estão entre suas peças mais conhecidas, abaixo algumas das peças.
 
Vestido Lobster (Vestido Lagosta) 1937
À partir de 1934, Dalí passou a usar lagostas em suas obras e Schiaparelli criou um vestido de noite de seda branca com um cinto vermelho com uma grande lagosta pintada (por Dalí) sobre a saia.
E olha só algumas releituras da famosa Vestido. Até Anna Wintour
Anna Wintour
Anna Wintour
Anna Wintour
é fã - E essa peça que ela está usando foi customizada pela Dior especialmente para o Met gala de 2012.

Tears Dress (Vestido de lágrimas)
Vestido lágrimas,1938 “Coleção Circo” . A intenção era dar a ilusão de carne animal rasgadas em forma de lágrimas impressas no verso do tecido.
Obviamente ele teve algumas releituras
Vestido de esqueleto
Dalí e Schiaparelli também projetaram o vestido de esqueleto para a coleção Circus.  Era um vestido de crepe preto austero que usou trapunto quilting para criar acolchoadas costelas , coluna vertebral e ossos das pernas .Esse é o meu preferido e eu usaria com toda a certeza do mundo!
Shoe Hat (Chapéu sapato) 1933
Dali foi fotografado por sua esposa com um de seus chinelos equilibrada na cabeça. Em 1937, ele esboçou desenhos de um chapéu sapato para Schiaparelli. 

E se você acha a moda do século XXI incrivelmente inovadora, observe novamente os modelos e as criações dessa mulher totalmente a frente do seu tempo.

Viva a Elsa, viva o retrô!

Fonte: -Almanaque folha
-Moda e surrealismo
-Wikipédia
Comentários
0 Comentários

Nenhum comentário: