quinta-feira, 11 de abril de 2013

The Hollywood Sisters – As cantoras de Cabaré do século 21



The Hollywood Sisters – As cantoras de Cabaré do século 21
Hoje temos uma entrevista muito especial com as meninas do The Hollywood sisters, uma dupla que tem um projeto musical muito bacana e que além disso são sósias de duas divas que todos nós amamos. Talento, beleza e conteúdo é um pouco de muito que você vai conferir nessa entrevista que o Viva o retrô preparou especialmente pra vocês.
  
Conte um pouco da história de vocês


Ava Portmam – Tenho 28 anos e sou casada há cinco. Sou uma pessoa realizada em meus projetos e caminho em conquista de novas metas. Trabalho desde cedo e sempre gostei do ramo artístico. Fiz faculdade de design de moda e sou formada em Make Up – uma de minhas facetas. Estudei teatro na Escola Macunaíma e estudo canto. Em paralelo, mantenho atividades como sósia da Marilyn Monroe, modelo pin up e plus size, além da dupla The Hollywood Sisters. Ainda sou proprietária da marca Boutique da Pin Up, colocando à venda bijuterias, jóias, acessórios e afins.



Rita Santini – Tenho 28 anos, nasci em São Caetano do Sul, onde moro até hoje. Sou formada em jornalista e trabalho como repórter da editoria de Política em um jornal no ABC Paulista. Sou autora do livro “Ir, Deixando Alguém Viver – O Recomeço por meio da Doação de Órgãos”. Confesso que me descobri no mundo das artes, cantando e dançando sapateado americano. No dia a dia tenho tentado administrar meu tempo em vários projetos, um deles é o trabalho com a dupla The Hollywood Sisters. Também sou sósia oficial da artista Dita Von Teese, no Brasil, e atuo como modelo pin up.  
  
Como surgiu a paixão pelo retrô?

Ava Portmam - Sempre gostei muito do jeito como minha avó se vestia e se arrumava até os seus 77 anos de idade. Cabelos loiros enrolados e unhas esmaltadas de vermelho era sua marca. Já na adolescência, eu adorava ir aos brechós e sempre dei valor em peças que tinham toda uma história por trás. Na faculdade conheci profundamente as tendências de décadas passadas e o gosto ficou cada vez mais evidente.



Rita Santini – Desde cedo achava que a beleza das mulheres de antigamente detinha um romantismo diferente das atuais. O olhar, a maneira de se portar, as roupas e os acessórios eram luxuosos. Esse glamour me chamou a atenção. Passei a assistir filmes das décadas de 30, 40 e 50, freqüentar feiras de carros antigos e festas do vinil. Passei a conhecer a fundo essa cultura – que ganha mais adeptos a cada dia.

Inspiração em Marilyn.
É curioso, pois há alguns anos eu não era tão fã de Marilyn Monroe, tinha apenas uma simpatia. Na escola de teatro surgiu uma oportunidade de interpretá-la para um projeto de final de semestre. Tive que conhecer a trajetória da artista, trejeitos e momentos trágicos que marcaram sua vida. Aos poucos me apaixonei pela figura carismática. Depois surgiram outros convites nessa mesma propositura. A princípio, não queria aceitar, pois sou gordinha e sempre achei que uma Marilyn plus size não seria bem aceita. O destino me provou o contrário. Encarei o trabalho como forma de reverenciar o talento dessa diva.

Inspiração em Dita.
Conheci a Dita por meio do Marilyn Manson, há pelo menos oito anos. Estava assistindo um documentário que mostrava as ex-esposas do polêmico cantor e ela estava lá. Na época não me achava parecida, mesmo com algumas pessoas vindo me falar sobre a tal semelhança. Quis saber mais sobre a vida da artista e com grande admiração passei a me caracterizar como tal. Com o passar dos anos, ficou evidente a semelhança e, em qualquer lugar que vou, as pessoas fazem essa referência. A pinta no rosto da Dita é tatuada e decidi tatuar a minha. Compro roupas iguais as dela ou mando fazer. Arrumo o cabelo como o dela, faço redução de cintura por meio do Tight Lacing para ficar com a cintura dela. Enfim, é quase uma obsessão, só não abro mão do gosto pelas tatuagens. Agora inicio uma campanha para conhecê-la pessoalmente.   

 
 O que mais gosto na cultura retro (filmes, moda, música e etc) ?
Ava Portmam - A moda, sem dúvida. Tenho impressão de que as coisas eram mais dignas e valorizadas. Em relação à música, eu adoro Jazz. Em minha casa você pode achar desde Ella Fitzgerald até Etta James, Frank Sinatra. Também gosto de novas gerações como Adele, que tem despontado no mundo da música. Confesso que a cantora Cher também é uma de minhas paixões. Gosto de ir a apresentações de bandas Rockabilly, onde me encontro com as amigas para dançar e curtir.


Rita Santini – Os filmes em primeiro lugar, a moda em segundo e a música em terceiro. Os filmes me inspiram a criar. A moda retro faz parte da minha filosofia de vida e a música é meu grande prazer. Descobri-me cantando e dançando. Hoje incluo vários ritmos musicais em meu gosto. Clássicos do Jazz, Doo Wop, Swing, Rock and Roll, Blues e Country são minhas paixões.


Deixe algumas dicas de filmes, músicas e etc:
Ava Portman – Cabaret, com Liza Minelli; e Quem tem Medo de Virginia Wolf, com Elizabeth Taylor. Adoro ver filmes com Bette Davis e Gene Kelly. Uma atriz que também me fascina é Meryl Streep. Ela é fenomenal em suas interpretações.


Rita Santini – O Picolinho, com Fred Astaire; Gilda de 1946, com Rita Hayworth; O Ladrão de Casaca, com Grace Kelly; Bonita Como Nunca, com Fred Astaire e Rita Hayworth; Sinfonia de Paris, com Gene Kelly; O Poderoso Chefão, de Francis Coppola, Psicose, de Alfred Hitchcock; Laranja Mecânica, de Stanley Kubrick; e Pulp Fiction, de Quentin Tarantino. Em música indico Rod Stewart, Ella Fitzgerald, Billie Holiday, Norah Jones, Fred Astaire, Frank Sinatra, Carmen Miranda, The Flying Neutrinos, Cherry Poppin Daddies, além de música clássica.


6- Qual são seus Hobbies?
Ava Portman - Cantar faz parte de um trabalho profissional e ao mesmo tempo um hobbie, andar de patins, ler e cozinhar.


Rita Santini – Cantar, dançar, assistir séries de TV, filmes antigos, viajar, ler, ir a teatros e escrever.

Se pudessem voltar no tempo, pra qual década iriam?
Ava Portman - Eu escolheria os anos 20, adoro aqueles cabelos e vestimentas. Assisti ao filme “Meia noite em Paris" e me vi nele. Também tenho paixão pela Era Vitoriana, mesmo com o sofrimento dos apertados corsets.


Rita Santini – Eu escolheria 1930 e 1940, são as épocas com as quais mais me identifico. Os artistas eram mais completos. A Era Vitoriana também me encanta. Aliás, a arquitetura gótica me desperta muita atenção.

Vocês vivem no estilo vintage 24 horas por dia? 
Ava Portman - Meu armário é 80% de peças retro. Não gosto de ter nada igual ao de ninguém, não sou de seguir modismo. Confesso que tem dias que prefiro algo mais confortável, sem grandes produções.

Rita Santini – Não tiro férias. Sou 100% assim todos os dias, 24h por dia. Não tenho um par de tênis, nem calças de cintura baixa ou saias curtas. Costumeiramente vou ao mercado, açougue, hortifrute e trabalhar com o cabelo arrumado, maquiada e roupa impecável.   

Fale um pouco sobre o projeto Divas Songs:

Ava Portman e Rita Santini - Somos verdadeiras cantoras de Cabaré em pleno século 21. Há um ano sentamos para colocar nossos projetos no papel. Tudo teve como base muita pesquisa e dedicação, empenho que continua nos dias de hoje. Inspiramos-nos nas grandes cantoras de Cabaré das décadas de 30 e 40, bem como no repertório das Divas Hollywoodianas e nos clássicos do Jazz. Criamos nossos figurinos e damos vida às personagens. Na montagem do espetáculo pensamos sempre levar o melhor a quem nos assiste.   



Podem dar algumas dicas para as meninas que curtem o estilo vintage e desejam segui-lo?
Ava Portman - Pesquisar é fundamental. Gostar de um estilo é simples, difícil é aderi-lo como estilo de vida. A qualquer momento da nossa adolescência podemos mudar nossos gostos pessoais. Por isso, ao se encontrar, é fundamental ter bom senso. Conhecer brechós e lojas direcionadas a este tipo de público são boas fontes.


Rita Santini - Realmente pesquisar, ir a fundo, comprar livros e ter a internet como amiga faz toda diferença. Costumo dizer que ninguém nasce de rolinho na cabeça e ouvindo Rockabilly. Algumas pessoas me pedem dicas sobre esse universo e me sinto lisonjeada por isso. Demonstra que estamos no caminho certo. Nesse caso, tenho minhas referências e para as garotas que gostam do estilo é fundamental conhecer o que rola no berço da cultura pin up.     

Frase final:
Ava Portman - “Suponho que me entender não é uma questão de inteligência e sim de sentir, entrar em contato...Ou toca, ou não toca”, Clarice Lispector.


Rita Santini – “A vida é uma peça de teatro que não permite ensaios. Por isso, cante, chore, dance, ria e viva intensamente, antes que a cortina se feche e a peça termine sem aplausos”, Charles Chaplin.




Comentários
1 Comentários

Um comentário:

Daise Alves - Menteflutuante Retrô disse...

Aí, ai, amo essas duas. Duas lindas. Seguindo o blog, beijokas
http://menteflutuante-up.blogspot.com.br/