terça-feira, 22 de janeiro de 2013

Meu passado é retrô - Entrevista com Marinalva Santana

 Marinalva Santana é Paulista, nascida em 1947 e pedagoga.


-Infância
Minha Infância foi normal como a da maioria das crianças da época. minha mãe não permitia que a gente brincasse com meninos, além dos irmãos, nem que saísse do quintal de casa. Ela era bem rígida, energética. As brincadeiras eram passa anél, pular corda, não tinham muitos brinquedos comprados. Lembro de brincar com peão, bolinha de gude e na época da escola ganhei minha primeira boneca, muito linda, nunca me esqueço dela.

- Juventude
Assim como a infância, a juventude foi reprimida. Não podia sair, era só dentro de casa. Lá pelos meus 20 anos  comecei a ir ao cinema com uma amiga, mas meu irmão tinha que ir junto, e se não voltassem os dois juntos no mesmo horário estipulado, apanhavam os dois, mesmo grandes.
As músicas da época que faziam grande sucesso eram "ESTÚPIDO CUPIDO", assim como as músicas do Roberto Carlos, Leno e Lílian tinham a música "DEVOLVA-ME", muito bonita. 
Namoro nem pensar, era só depois dos 20 e olha lá. Como eu era muito obediente,tinha muito medo da minha mãe, eu jamais me arrisquei. Namorei com um único homem, que se tornou meu marido.
 Dance rock com Celly Campello (Estúpido Cupido)
 Leno e Lilian - Devolva-me

-Moda
Eu usava muito tubinho, eu gostava muito, pois não marcava o corpo. Usava vestidos de alsinha, tipo uma bata folgadinha, muita roupa pregueada, mangas fofas e havia o tecido PIQUÊ, muito bonito. A qualidade das roupas eram bem diferentes, a começar pelos tecidos. O cabelo era liso, com a famosa armação no alto da cabeça, bem típico...
Foto de uma escola para garotas nos anos 50
-ídolos
Quando eu era bem novinha, eu gostava da Emília Borba, muito por causa da minha mãe, que adorava ela, sempre falava sobre ela. Depois passei a gostar muito do Roberto Carlos e Wanderlei Cardoso. Também tinha o  Paul Anka e Rita Pavone. 
Paul Anka

-O amor era diferente nessa época?
Com certeza era muito diferente. Tinha que passar por muito sacrifício para poder ficar junto, namorar era complicado. Tinha que pedir a mão em namoro, e mesmo namorando não podia nem sentar junto.
 
Casal de namorados em 1948 - Fonte: Google.


Saudades
Dos tempos da escola, dos amigos da época, da tranquilidade daqueles dias. Não haviam grandes supermercados, a gente fazia compras em pequenos armazéns. Hoje tudo é tão agitado e tão estressante.

- O que mudou hoje em dia que você acha que não deveria ter mudado nunca?
Acho que o namoro de hoje em dia está mais livre, não digo que tenha que mudar, pois os nossos pais exageravam um pouco, mas um pouco dos valores de antigamente talvez deveriam ser levados em consideração.

- O que você acha dessa paixão que a geração de hoje em dia desenvolveu pelo retrô e pela sua década em especial?
Quase todo mundo reconhece que essa época foi muito bonita. Talvez porque os pais contam, ou pela praticidade da internet,onde temos acesso a tudo, mas realmente essa fase apaixona as pessoas . Os filhos foram contaminados pelos pais, afinal foi a época dourada, não é a toa que é considerada a época de ouro, e o ouro é nobre, é eterno..

-Deixe uma mensagem aos leitores do Viva o retrô. Pode ser a mensagem que você quiser, o que o seu coração disser.
Gostaria que a juventude aproveitasse tudo que essa época pode proporcionar de bom, que tome como exemplo não somente as vestimentas, os carros, a decoração, mas também o comportamento, a atitude, os valores. Claro que na época, nossos pais exageravam, mas eu vejo que os jovens de hoje em dia se expondo muito. Tanto os meninos, como as meninas deveriam se cuidar mais, se valorizar mais.

Gostaram? Comentem.
Comentários
5 Comentários

5 comentários:

Maria Eduarda disse...

Amei...muito bom ver o ponto de vista de uma pessoa que viveu nessa época tão e tão diferente dos dias atuais.

Luh disse...

Muito legal..ela é minha sogra!!!!!

Alex Cunha disse...

Certa vez perguntei a minha já falecida avó quando ela havia feito exame de vista pela última vez, pois sempre a vi de óculos. Para minha surpresa e de alguns de seus filhos presentes no momento ela respondeu que nunca havia feito um, simplismente experimentou um óculos usado, achou que melhorou sua visão e começou a usá-lo. Muitas vezes pelo simples fato de não fazer as perguntas certas não tomamos conhecimento de fatos importantes em nossas vidas. Neste caso, o Viva o Retro fez perguntas que eu não havia feito antes e me fez saber um pouco mais sobre a vida de minha mãe e sobre a época na qual ela viveu sua infância e juventude. Obrigado!

Viva o retrô disse...

Fico feliz em lhe proporcionar tamanha felicidade. Um abração.
Tati

Viva o retrô disse...

Simm, e sem você essa entrevista não seria possível.

Fica aqui registrado o meu MUITO OBRIGADA.

Beijinhos
Tati